UMA HISTÓRIA QUE NÃO FOMOS

22:55


Eu tenho uma história pra te contar. 
Mas antes, um segredo: ela parece linda vendo de fora. Não se engane, é sobre uma história que não aconteceu. 
Ela serviu pra deixar saudade, e talvez, lágrimas nos olhos de quem acha uma pena não ter dado certo. 
Mas afinal, o que realmente deve ser dar certo? Ficar um tempo juntos? Talvez isso tenha ocorrido. Amar reciprocamente? Talvez ocorreu também. 
Nunca se sabe. As pessoas são lacunas que passamos tempo demais tentando preencher, mas nunca saberemos se realmente a completamos, ou se ainda falta muito mais. Somos muito mais do que nos mostramos ser, e você sabe disso. 
Então, eu vou contar do meu jeito. 
Sempre tem alguém que cruza seu caminho sem que você se quer imagine um dia, alguém totalmente aleatório que em segundos atras não se encaixava na sua vida. 
Ele era essa pessoa. 
O tempo passou e cada vez mais eu gostava da presença dele. Nunca gostei da rotina, mas não me importava de vê-lo todos os dias da semana, e por mim, eu veria-o no sábado e domingo também. 
É inacreditável o jeito em que as pessoas nos fazem bem simplesmente por estarem ali, do nosso lado, nos dando atenção. 
Eu sempre fui uma pessoa que falou demais, e sabe o que ele fazia? Ele me escutava e falava tanto quanto eu. Ele me dava total conforto pra simplesmente ser eu, e não me importar se alguém não estava gostando, porque ele estava, pra mim isso bastava. E sim, ele gostava muito. Ele sempre elogiou minha maneira de ser eu mesma e nunca mudar pra agradar alguém. Ah, ele me deixava toda boba quando me dizia isso, e eu confesso, eu gostava. 
A gente dividia cada parte e angústia do dia, que com o tempo eu aprendi a confiar nele como se ele fosse minha caixa de segredos que não ia contar pra ninguém, mesmo que eu pedisse. E eu vou te dizer, era recíproco. Ele me contava cada detalhe do dia dele, e até as coisas mais secretas. 
Eu sabia as manias dele, os gostos, sabia que ele gostava de massa com batata frita, de acordar com alguém fazendo carinho no rosto dele, do cafuné e do abraço quente de baixo das cobertas num dia frio. Eu sabia, que ele preferia a família e os amigos do que uma noite botando dinheiro fora com bebidas, mesmo que ele gostasse de algumas cervejas. Eu sei que ele gostava de jogar futebol, do mesmo jeito que gostava de torcer pro time do coração, cujo, era o mesmo que o meu. Eu sei também que ele gostava de demorar no banho, de cantar sertanejo quando ninguém tava ouvindo e de assistir Pretty Little Liars, série que eu indiquei. 
Ele também nunca se importou de ser ele, e eu acho que eu gostava tanto dele simplesmente por tudo isso.
Ele gostava de atenção, de um abraço inesperado, de um "confia em mim, eu tô com você". 
Sim, ele era uma pessoa carente, e eu, uma pessoa carinhosa, tinha como não completar? E completava, o que faltava em um tinha no outro, éramos um equilíbrio. 
Mas aí, éramos. 
Essa história tinha tudo pra continuarmos sendo, se ele não fosse tão instável, ora quer, ora não. Ou também se eu não fosse egoista na hora errada, se eu soubesse agir como a amiga que eu fui sempre, mas na hora errada não, se eu não ficasse brava pelas coisas que outra pessoa fez. 
É, relacionamentos são assim. 
Acaba, magoa, a gente chora. Uma vez, duas, às vezes até mais, muito mais. 
Mas sim, um dia passa, às vezes demora, outras ainda fica aquela coisa ali guardadinha, sabe? 
Hoje, eu tô mais certa que passou. Sei que não totalmente, mas o suficiente pra eu escrever esse texto e não chorar, o suficiente pra não sentir mais nojo e ficar grata pelas coisas que aprendi. Por entender que devo ser sempre eu, por saber que orgulho não leva a nada além de te distanciar das pessoas. 
Ele se foi, e duvido que volte. 
Mas sabe, passou. 
Ele veio, fez bem, deixou saudade em uma história em que não fomos, e hoje guardo ela aqui como se fosse um sonho bom, com seus momentos ruins. 
Hoje sou alguém renovada e mais forte por dentro, graças a cada ensinamento que essa situação me trouxe.
Então, entenda: mesmo que a história tenha tido tudo pra ser linda, ela não foi. 
Não tenha medo de terminar o livro e fechá-lo. É melhor sair a procura de novos do que ler sempre o mesmo. 
Existem muitas novas histórias para serem lidas, para serem lindas, ou para simplesmente serem.




You Might Also Like

1 comentários

  1. Quer saber um segredo? Depois de fechar um livro tão intenso quanto este, a gente nunca mais consegue ler outro. Pode até passar os olhos por umas duzentas linhas, mas jamais vai conseguir chegar ao fim da trama. Eu sei porque também tive uma história que não foi com uma pessoa, mas por incrível que pareça esta história ainda é. Tentei namorar outras cinco pessoas, e por mais que fossem rapazes carinhosos e que me amassem, eu não conseguia seguir adiante. Não adiantava, não era ELE. Hoje em dia estou em paz com isso, com esse romance que não aconteceu, sabendo também que ele deixou essa impossibilidade de qualquer outro acontecer. É como diz a música da Carrie Underwood:

    Uma vez que tenha provado de um amor tão forte,
    Você não pode voltar atrás, e não pode se contentar com nada menos
    E é aí que eu tropeço
    É como beber vinho depois de whiskey.

    ResponderExcluir