DIVERTIDAMENTE: OUTRA VISÃO

18:22

    Bom, hoje o post é sobre uma animação incrível chamada divertidamente. Porém, quero levá-los à entender o filme de um ponto de vista completamente diferente dessa vez (é claro, se vocês toparem receber alguns spoilers) e mostrar como uma única história pode mudar toda a sua forma de encarar suas próprias emoções.
    Para não dizer que eu não dei brecha para aqueles que ainda não tiverem o prazer de assistir, vou deixar aqui a sinopse dessa grande aventura.. e bom, cabe à você parar de ler ou continuar ( )
Sinopse: 
Riley é uma garota divertida de 11 anos de idade, que deve enfrentar mudanças importantes em sua vida quando seus pais decidem deixar a sua cidade natal, no estado de Minnesota, para viver em San Francisco. Dentro do cérebro de Riley, convivem várias emoções diferentes, como a Alegria, o Medo, a Raiva, o Nojinho e a Tristeza. A líder deles é Alegria, que se esforça bastante para fazer com que a vida de Riley seja sempre feliz. Entretanto, uma confusão na sala de controle faz com que ela e Tristeza sejam expelidas para fora do local. Agora, elas precisam percorrer as várias ilhas existentes nos pensamentos de Riley para que possam retornar à sala de controle - e, enquanto isto não acontece, a vida da garota muda radicalmente.



      Vocês já perceberam que a Riley, a menininha que tem um monte de emoções vivendo dentro dela realmente vai entrar numa baite de uma confusão, certo? (spoiler alert: saia do post agora) e tudo isso, porque a Alegria (que é super amorzinho e só quer ajudar) quer que a vida da menina seja perfeita. 
       Dentro da sala de controle, estão todas as memórias boas e ruins da menininha. Os momentos de raiva, de nojo, de medo, de extrema alegria e os de tristeza. Em alguns momentos, por terem muitas lembranças, há uma limpeza. Mas os melhores momentos dela estão sempre no mesmo lugar, no centro da sala de controle. Todos de coloração dourada, expressando A alegria.
       Porém, quando o pai de Riley perde o emprego e eles são obrigados à se mudar para um lugar totalmente diferente, os amiguinhos que vivem na sua cabeça, fazem de tudo para que ela se sinta feliz e veja o lado bom de todas as coisas que lhe acontecem. Acontece que a menina tem nojinho da casa, medo da escola nova, raiva da falta de atenção dos pais aos seus desejos e tristeza por sentir saudade dos seus amigos e da sua antiga vida. E é aí que a coisa toda desmorona.
       Quando a tristeza resolve tocar em uma das melhores lembranças de Riley, todos da sala de controle entram em pânico. A menina briga com os pais, chora na escola, e todas as torres que montam a sua personalidade começam a se quebrar. Numa tentativa de salvar a vida da menininha e deixá-la feliz novamente, Alegria e tristeza acabam indo parar fora do centro de controle e com pouco tempo para retornar.
        Elas passam por várias ilhas, encontram o melhor amigo imaginário da Riley (que foi excluído de suas lembranças) e é um dos personagens preferidos de um monte de gente, e passam por um monte de confusão até encontrarem o caminho para casa. A questão é: Quem é que encontra o caminho de volta pra sala de controle? Isso mesmo: A tristeza.

    TÁ DEBORAH, MAS E DAÍ?
     Acontece que quando a menina começa a demonstrar suas reais emoções, o próprio pai mostra à ela que também não está feliz na casa onde eles moram e mostra toda a empatia que ela precisava. E eles choram. Sim.. Ela fica triste. Ela tinha motivos enormes para se sentir infeliz, e o que tem nisso?
      É óbvio que a maioria das vezes nós queremos nos sentir felizes, mas felicidade exagerada torna-se falsidade. Rir de tudo é desespero. Nós temos diversas emoções, somos humanos e precisamos de todas elas para construir o nosso caráter e enfrentarmos as situações do dia-a-dia. Nem sempre vai ser legal e você vai SIM precisar chorar. Chora, esperneia, grita. Não tem problema em sentir um pouquinho de tristeza vez ou outra, sua vida é assim, repleta de altos e baixos. O importante é saber o caminho de volta.
      Sem a tristeza, talvez nem soubéssemos o que é felicidade. 





















You Might Also Like

0 comentários